Banner:

segunda-feira, 7 de outubro de 2019

► PODER JUDICIÁRIO: os recentes ESCÂNDALOS promovidos por membros da TOGA do STF.

Manifestantes em Brasília
Parece que alguns ministros da Corte Suprema Brasileira, o STF, gostam de se envolver em polêmica. A questão é que as "polêmicas", quando são protagonizadas por esses seres humanos, que se acham "deuses" (muitos têm certeza que são), mesmo que sejam cheias de ILEGALIDADES, nada acontece com tais "deuses". Os senhores da toga agem protegidos pela IMPUNIDADE, já que o que pior que pode acontecer a tais "deuses", é o "prêmio" de APOSENTADORIA COMPULSÓRIA. E isso, se for condenado após julgamento realizado pelo CNJ, sendo a pena máxima. Para os parâmetros brasileiros, tudo "normal", tudo muito "LINDO"!

Alexandre de Moraes, ministro do STF;
talvez inconformado que a sua desculpa
'não colou'!


Ele também acha que é "especial" e não precisa
de REVISTA para embarcar em voos comerciais.
Foi OBRIGADO pela POLÍCIA FEDERAL
a passar por detector de metais no aeroporto.
A "carteirada" NÃO funcionou!
A repercussão da CENSURA de matéria jornalística da REVISTA CRUSOÉ em abril de 2019, feita por um ministro do STF, o Alexandre de Morais, demonstra como bem é o PODER na mente de pessoas que, em tese, deveriam estar preparadas para não permitir que o cérebro ficasse ATROFIADO. Naquela oportunidade, depois de muitas críticas, o próprio ministro, que é defensor da Constituição e escritor de livros constitucionalistas, desfez a sua própria LAMBANÇA, mas ainda declarou que não houve CENSURA. Com desculpas esdrúxulas, ele mesmo tentou acreditar que a sociedade é analfabeta ou coisa parecida. Esse ministro, Alexandre de Moraes, utilizou-se do cargo para advogar em causa própria, na tentativa de proteger seu colega de toga.

Alguns ou muitos membros do Poder Judiciário têm o costume de utilizar o "PORCORATIVISMO", termo pejorativo e popularmente usado para expressar repúdio ao CORPORATIVISMO. Por isso, Alexandre de Moraes deveria ser EXPULSO do STF. Possível DITADOR não pode continuar na Corte Suprema Brasileira. E se o Brasil fosse um país sério, nesse sujeito estaria desempregado. Simples assim!!!

=== CLIQUE AQUI e veja a reportagem sobre a famigerada CENSURA da reportagem da Revista Crusoé.

Reportagem de Revista que foi CENSURADA
pelo STF e depois suspensa a CENSURA;
o ministro Dias Toffoli foi citado em
delação premiada
Mas o pior... aliás, é difícil de falar o que é pior... quando o que acontece, tem a origem, ministros do STF. Fato é que o atual presidente da Corte Suprema,  Dias Toffoli, foi indicado por Lula, que anos depois, passou a ser conhecido como presidiário, com domicílio numa confortável sala da Polícia Federal de Curitiba-PR. Toffoli, reprovado em 02 concursos públicos em São Paulo, para juiz substituto à época e sequer tinha uma única pós-graduação quando foi indicado para uma vaga do STF. Verifiquei seu currículo, à época da nomeação e constava apenas dezenas e dezenas de folhas constando simples atuações em entidades ligadas ao PT, partido político do "padrinho" Lula, sendo advogado, inclusive, do partido. Que "lindo"!

=== CLIQUE AQUI e veja o VÍDEO com reportagem feita pelo Jornal Nacional, da TV Globo.

=== CLIQUE AQUI e veja novo VÍDEO com a repercussão da DITADURA do STF perpetrada pelo ministro Alexandre de Moraes.

Dias Toffoli, em nova reportagem da
Revista Crusoé. A mesada da esposa
considerada suspeita
Em nova reportagem feita pela REVISTA CRUSOÉ (foto acima), o ministro Dias Toffoli foi novamente destaque.  A reportagem sobre a MESADA de 100 mil reais que Toffoli recebe da esposa foi tão detalhada nas investigações que foi escolhida como uma das sete melhores matérias investigativas na língua portuguesa pela Rede Global de Jornalistas Investigativos (GIJN, na sigla em inglês). Esta reportagem pode ser lida no link abaixo, após este parágrafo, inclusive, com a revista fazendo nova publicação informando que passados 05 meses da publicação, o ministro Toffoli resolveu continuar em silêncio, sem nada manifestar. Pelo menos, NÃO resolveu CENSURAR ou pedir a um "coleguinha" de toga, Alexandre de Moraes para fazê-lo e não promoveu mais um escândalo de DITADURA costumeira por determinados ministros do STF.

=== CLIQUE AQUI e leia a reportagem publicada na revista Crusoé, no dia 27/07/2018, detalhando as pessoas envolvidas com o ministro Dias Toffoli, a influência, o dinheiro, o PODER e a "mesada" da esposa.

=== CLIQUE AQUI e leia o destaque sobre a continuação do silêncio do ministro Dias Toffoli após 05 meses da publicação da reportagem.


EM TEMPO 1: no Brasil, membros dos TRÊS PODERES, na medida do possível, tornam-se "amiguinhos" entre si, influenciadores, buscando proteção futura, vantagens indevidas. O PODER JUDICIÁRIO, que deveria ser IMPARCIAL e REGULADOR, acaba contaminado e promove atitudes ABSURDAS, SURREAIS, promovidas por membros que acreditam que estão acima das LEIS. O Brasil, o PODER nas mãos de IGNORANTES e PRESUNÇOSOS, corre o risco de se tornar TERRA DE NINGUÉM. DITADORES DE TOGA querem tornar o Brasil como se fosse o "galinheiro" deles.

EM TEMPO 2: e NÃO tenho medo de Alexandre de Moraes ou de quaisquer de seus possíveis cúmplices de DITADURA de TOGA. Aqui neste blog eu escrevo o que eu quero, sem ameaças a ninguém e me responsabilizo pelo que escrevo conforme a LEI, porque sei ler a Constituição Federal. E digo ainda que NÃO sou escritor renomado para fazer interpretações da Lei conforme me convém. Não membro do STF

EM TEMPO 3: para finalizar, lembro ao Alexandre de Moraes que o Regimento Interno do STF NÃO está e NUNCA estará acima da Constituição Federal. Um dispositivo, artigo ou qualquer Norma do Regimento Interno utilizado como argumento por este ministro para abrir INVESTIGAÇÃO no STF por suposta ameaça ou críticas é tão IGNORANTE e ESDRÚXULO que a própria investigação, por si só. Somente este fato já seria motivo também para que esse ministro fosse EXPULSO do STF. Em um país sério, isso já teria acontecido. Simples assim, também!

"A PIOR DITADURA É DO PODER JUDICIÁRIO. CONTRA ELA NÃO HÁ A QUEM RECORRER." (Ruy Barbosa; advogado e digno jurista brasileiro, 1849-1923)


Nenhum comentário:

Postar um comentário